O casal que mora ao lado | Resenha

Anne e Marco formam o típico casal de jovens felizes dos filmes clichês, moram em uma linda casa localizada em um bairro tranquilo, a ...



Anne e Marco formam o típico casal de jovens felizes dos filmes clichês, moram em uma linda casa localizada em um bairro tranquilo, a bebê Cora é o centro das atenções e faz tudo parecer ainda mais perfeito. Os vizinhos convidam o casal para um jantar e a regra é clara, nada de crianças! Depois de muita relutância, Anne concorda com Marco e vão ao jantar sem Cora, a babá desmarcou em cima da hora mas, eles vão estar na casa ao lado e a babá eletrônica estará ligada turante todo o jantar, o que poderia dar errado? Ao voltarem para casa, a bebê não estava mais no berço e a vida perfeita do casal ficará de ponta cabeça.

Obvio que essa ideia de vida perfeita é uma bela ilusão, os personagens principais vivem vários problemas e com o passar da investigação esses problemas vão sendo expostos. A trama do livro gira completamente em torno do rapto da Cora e algumas vezes achei que a leitura daria um bom episódio do Casos de Família, a trama é envolvente e me cativou do inicio ao fim como não havia acontecido comigo a muito tempo (claro linda, ultimamente a senhora só lia coisas da faculdade...), mas ainda assim o livro não traz algo inovador ou extremamente surpreendente, aqui gostaria de deixar uma reflexão sobre: ainda conseguimos ser surpreendidos vivendo em uma realidade repleta por todo tipo de barbárie? 

Reflexões a parte, um ponto que eu gostei muito nesse livro foi a forma com que a autora conseguiu colocar os diferentes narradores e seus pontos de vista, sem deixar a linearidade da história confusa ou bagunçada. A imparcialidade de cada um faz com que o leitor veja todos os pontos de vista e comece a investigar por si só a história. Alguns personagens que deveriam se destacar durante o desenrolar da história ficaram perdidos e cheguei a ficar um pouco incomodada. A Anne e o investigador do caso foram dois personagens que tinham potencial para segurar a trama com mais força e acabaram sendo pouco explorados. A principio o investigador se mostra extremamente cético sobre a inocência dos pais, isso é bem interessante porque me fez pensar sobre o passado do investigador e os outros casos que fez parte, mas o papel tão ativo e interessante fica esquecido e desnecessário, a Anne poderia ter assumido um papel mais presente durante a busca da menina mas ficou presa numa paranoia que surgiu com a acusação de que a menina poderia ter sido assassinada pelos próprios pais.

Para um primeiro livro a Shari Lapena conseguiu algo muito interessante, montou uma trama com reviravoltas bem amarradas e nada surreal que fugisse da realidade. Consegui ficar presa ao livro e isso já significa muito para mim, já que ultimamente nada tem me deixado tão instigada a entender o livro. Mesmo com os defeitos que apontei, foi uma leitura boa, digno de uma adaptação cinematográfica estilo O bebê de Rosemary. Não posso deixar de comentar essa edição maravilhosa da Editora Record. Lançado em 2017, o livro tem 293 páginas. A capa é misteriosa e consegue magicamente resumir a sinopse do livro. As folhas são amareladas e a fonte usada tem um tamanho bom, ponto para os míopes! Você pode encontrar esse livro na Amazon clicando no link abaixo.



Instagram / Twitter / Facebook / Skoob 




Leia Também

4 comentários

  1. Olá, Vaneza.
    Eu gostei desse livro mas pelas resenhas que tinha lido estava esperando mais dele. É engraçado você citar o casos de família e levantar a questões sobre ser surpreendido porque lá no começo do citado programa eu me surpreendia com as coisas, depois segurava aquele suspense e no final era algo que não surpreendia mais. Até onde vai o ser humano.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que também esperava mais, e quanto mais lia mais queria ver personagens secundários tendo mais espaço na trama. Não foi uma leitura ruim, mas poderia ser melhor em algumas coisas.

      Excluir
  2. Olá Vaneza,
    Adorei sua resenha e fiquei louca para ler. Agora vou dizer, que loucos deixarem uma bebê só com a babá eletrônica.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né?!? Eu também fiquei abismada com isso! Só na literatura mesmo (eu espero)

      Excluir

Compartilha com a gente a sua opinião <3